A positividade das expectativas do público em geral e formadores de opinião na primeira quinzena de outubro registrou queda em relação ao final de setembro. A queda foi puxada pelos temas da Política com investigações envolvendo Michel Temer e Aécio Neves e críticas à atuação do STF. O Índice , medido pela .MAP, ficou em 33%, um recuo de três pontos percentuais.


A melhora recentemente registrada nos indicadores econômicos pode ser atribuída a fatores como o ganho de consistência da política econômica a partir de 2015, a melhora na interlocução entre executivo e legislativo federal, após a posse do presidente Temer, e ao encaminhamento mais expedito das investigações no judiciário, com destaque para a Lava Jato.


Sinais favoráveis na economia, movimentos partidários com vistas às eleições do próximo ano e defesa da diversidade fazem a diferença e elevam a percepção positiva da sociedade em setembro.


A privacidade morreu, e não foi hoje. Seu velório, quase desapercebido, foi dado com todos os detalhes há alguns anos, na edição de Janeiro de 2015 revista Science. A nossa trilha de informação hoje começa no momento em que nascemos, com a atribuição de CPFs para recém-nascidos, e só vai crescendo com cada ação que tomamos.


O mês de agosto se caracterizou pela melhora dos indicadores econômicos e consolidou a aposta dos analistas no fim da recessão. Dados e discursos, contudo, não foram percebidos desta forma pelo público.


Positividade cai para 34%, menor patamar dos últimos 12 meses, e reflete o desalento da sociedade com a Política e o mau-humor com medidas como a alta do imposto para o combustível e a reforma das leis trabalhistas