Destaque do setor – 09 de julho de 2019

São Paulo, 09 de julho de 2019

As ações de dois ministérios vão ao centro da cobertura de educação nesta terça-feira. O Ministério da Saúde pretende oferecer uma espécie de perdão da dívida do Fies para atrair profissionais para o novo programa Mais Médicos. Segundo o Valor, a proposta considera um saldo devedor de R$ 13,2 bilhões referente ao débito de mais de 26 mil formados. Já o ministro de Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, afirmou ontem que o dinheiro para bolsas de pesquisa só dura até setembro e cobrou a aprovação de um crédito de R$ 310 milhões para o orçamento de sua pasta para garantir o pagamento dos benefícios concedidos pelo CNPq. As declarações foram reproduzidas por Folha e O Globo. 

A Estácio sobressai em três veículos regionais em duas frentes: a excelência acadêmica, com evento de Direito no Maranhão e artigo de contabilidade do professor Celso Oliveira; e o bom desempenho de suas ações na Bolsa ontem. 

ESTÁCIO

O site do jornal maranhense O Quarto Poder registra realização do evento “Direitos, Cidadania e Dignidade na Melhor Idade” na unidade São Luís, no último sábado. Realizado pelos alunos do curso de Direito e coordenado por Marco Aurélio, o encontro contou com a presença do promotor de Justiça Augusto Cutrim, que ministrou uma palestra sobre os direitos da pessoa idosa, além da Dra Bruna Feitosa, presidente da Comissão do Direitos dos idosos da OAB/MA. 

Já o professor Celso Oliveira assina mais um artigo de contabilidade no portal Bem Paraná, desta vez abordando a Escrituração Contábil Fiscal (ECF), cujo prazo de entrega vai até o fim do mês. 

Em outra frente, o jornal Roraima Em Tempo registra em sua edição impressa o bom desempenho das ações da Estácio no pregão de ontem, com alta de 4,76%. 


SETOR E CONCORRENTES

O Valor pontua que a proposta do Ministério da Saúde é que o abatimento da dívida seja parte da remuneração a ser oferecida para os novos participantes do programa. A cada mês trabalhado, os integrantes teriam, além do salário, o direito a um desconto proporcional na sua dívida acumulada durante os anos de formação. Seria uma forma, segundo o jornal, de melhorar a remuneração do programa e competir com o mercado privado, que tem sido mais atrativo. O presidente da Federação Nacional dos Médicos, Gutemberg Fialho, criticou a medida como um “arrumadinho” do governo federal e afirmou que o país precisa de políticas públicas permanentes, e não de improvisos.

Segundo a Folha e o Globo, os recursos para o pagamento de bolsas do CNPq estão no bojo de um pedido de suplementação do orçamento do Ministério de Ciência e Tecnologia de R$ 248,9 bilhões feito pelo presidente Jair Bolsonaro e aprovado pelo Congresso em junho. Os recursos serão obtidos por meio da emissão de títulos públicos. Marcos Pontes também elogiou o manifesto assinado por dez ex-ministros da pasta em que criticaram os cortes do orçamento da área, disse querer reverter a queda contínua da verba destinada à área, que ocorre desde 2013, e pontuou que ciência não tem a ver com ideologia.  

REDES SOCIAIS

A história de superação de Samuel Delfino, aluno de Educação Física da unidade Ceará, ganha repercussão positiva no Facebook na universidade, com curtidas e comentários de apoio. No Instagram, post sobre o trabalho social realizado pelos alunos de Fisioterapia, Psicologia e Direito da unidade Nova Iguaçu também é bem recebido, com 287 curtidas, apesar de não inspirar comentários. 

O setor educacional não marca presença entre os assuntos mais comentados da rede. Em destaque, a lembrança da derrota por 7×1 do Brasil para a Alemanha na Copa de 2014 com a tag #7x1Day. A política, sempre presente, atinge o destaque nos temas mais comentados com o termo Funai, após a ministra Damares fazer pente fino nas atividades do órgão. Registra-se apoio ao Bolsonaro com a tag ‘Fora Tite’ após supostamente o técnico da seleção não cumprimentar o presidente. As hashtags #GlennComprouMandato, #GlennPagaOJean e #GlennGreenwaldNaCadeia marcam presença alavancada pelo público de direita no debate sobre suposto vazamento de mensagens do fundador do site The Intercept, Glenn Greenwald, com seu marido, David, e políticos como Jean Willys sobre acordos de mandato.

Wellington defende idosos durante projeto “Direitos, Cidadania e Dignidade na Melhor Idade”, O Quarto Poder

Escrituração Contábil Fiscal, Bem Paraná

Ibovespa sobe e ganha 0,37%; estável, o dólar foi para R$ 3,84, Roraima Em Tempo

Saúde estuda perdoar dívidas do Fies para preencher vagas no Mais Médicos, Valor, A2

Ministro diz que orçamento para bolsas CNPq só dura até setembro e cobra verbas, Folha, B5

Manifesto contra desmonte da ciência é excelente, diz ministro, Globo, 22