Destaques do setor – 03 de julho de 2019

São Paulo, 03 de julho de 2019

Os cortes de verbas aplicados pelo Ministério da Educação nas universidades voltam à pauta com alerta da nova reitora da UFRJ, Denise Pires de Carvalho, de que os serviços de segurança e limpeza terão de parar em setembro caso o governo não reverta o contingenciamento de R$ 114 milhões. Segundo o Globo, sem os serviços, os nove hospitais universitários da entidade serão paralisados. Na contramão dos cortes, a USP anunciou uma parceria com o Instituto Pasteur para pesquisa de danos neurológicos causados por agentes infecciosos, como o vírus da zika. Segundo a Folha, serão investidos inicialmente R$ 40 milhões na iniciativa.

A Estácio sobressai em três veículos regionais com a oferta de cursos de Arquitetura e Engenharia Civil no Rio de Janeiro, atendimento médico gratuito em Manaus e o patrocínio à ginasta Daniele Hypólito.

ESTÁCIO

Com a aproximação do segundo semestre de aulas, a Estácio ganha destaque pela abertura das inscrições para os cursos de Arquitetura e Engenharia Civil na unidade Resende. O jornal A Voz da Cidade pontua que o curso de Arquitetura e Urbanismo será ofertado pela primeira vez nesse campus e traz declaração do coordenador Fabrício Barbosa Freitas sobre o perfil amplo da profissão.  “O arquiteto é um profissional liberal que pode trabalhar em várias frentes de trabalho, como projetos, execução de obras, preservação do patrimônio e não depender de empresas, um diferencial interessante no mercado de trabalho.”

A universidade sobressai ainda pelas ações de impacto social. O Diário do Amazonas frisa a parceria da Prefeitura de Manaus com seus alunos para a prestação de atendimento gratuito médico e de enfermagem, além de orientação psicológica e nutricional, em uma Unidade Básica de Saúde local.  Já o patrocínio da Estácio à ginasta Daniele Hypólito é lembrado em reportagem do site Na Telinha, do portal UOL. Em entrevista com a atleta sobre a revelação de que seu irmão, Diego Hypólito, é gay, o site pontua que atualmente ela viaja pelo Brasil a convite da universidade, sua patrocinadora oficial, para fazer palestras.

SETOR E CONCORRENTES

Uma parceria entre a USP e o Instituto Pasteur para investigar epidemias é tema da Folha desta quarta-feira. O jornal frisa que o acordo envolve pesquisa de danos neurológicos causados por agentes infecciosos, como o vírus da zika. A Plataforma Científica Pasteur-USP será composta de 17 laboratórios, quatro deles de nível de biossegurança 3, padrão europeu de qualidade. A expectativa é que as atividades contem com apoio financeiro da Fapesp, além do próprio Pasteur. O investimento inicial será de R$ 40 milhões. 

Em outra frente, os cortes de verbas das universidades federais voltaram à pauta no Globo. Em cerimônia de posse, a nova reitora da UFRJ, Denise Pires de Carvalho, afirmou que os serviços de segurança e limpeza podem parar em setembro se o contingenciamento aplicado pelo Ministério da Educação, em torno de R$ 114 milhões, não for revertido. Isso teria efeitos, inclusive, nos nove hospitais universitários, que sem esses serviços teriam seu funcionamento suspenso. 

Já o colunista Ancelmo Gois usa dados de pesquisa do IBGE para criticar a falta de atuação do Ministério da Educação. Um recorte feito pela pesquisadora Roberta Tomas, do IDados, mostra que o desinteresse é o principal motivo dos jovens entre 15 e 17 anos que deixaram a escola (39,7% entre os homens e 25,5% entre as mulheres). O segundo motivo mais citado pelos adolescentes é trabalhar ou procurar emprego (24%) e, no caso das jovens, gravidez ou cuidado de criança (24,7%).

O impacto da política na educação teve outro desdobramento destacado pela Folha. Professores de direita de todo o país lançarão hoje o Movimento Docentes pela Liberdade (DPL), uma associação que visa a estimular interação e debates entre seus membros, que alegam desprezo e maus-tratos por colegas de esquerda. O bloco de docentes, antipetista e liberal na economia, segundo o jornal, quer ainda elaborar planos para aumentar sua influência no ambiente universitário.  

Na esfera municipal, a Prefeitura de São Paulo lança hoje um indicador de qualidade para as escolas da rede municipal e quer usá-lo como pagamento de bônus a professores. Segundo o Estado, o Índice de Desenvolvimento da Educação Paulistana (Idep) avaliou que, em média, o rendimento dos estudantes é de 4,9 nos anos iniciais do ensino fundamental e de 4,7 nos anos finais, em uma escala de 0 a 10. A meta é elevar as médias até 2021 para 6 e 5,5 respectivamente. 

Entre os concorrentes, a Kroton aparece em lista dos premiados pelo anuário Valor Inovação Brasil 2019, na categoria serviços. A premiação aponta as empresas que mais investiram em pesquisa e desenvolvimento no último ano. 

REDES SOCIAIS

A participação da Estácio no Campus Party, em Brasília, movimenta os seguidores de sua página no Facebook com 121 curtidas. Os poucos comentários na postagem, contudo, trazem críticas gerais à universidade, além de reclamações de alunos por dificuldades no atendimento e no acesso ao portal. 

O setor educacional não conquista destaque nos assuntos mais falados ontem no Twitter. A política dominou os trends topics com a presença do Ministro Sérgio Moro em audiência da Câmara sobre os supostos diálogos vazados. As hashtags #MoroCorrupto e #DetonaTudoMoro figuraram durante o dia como principais assuntos no microblog. 

Estácio Resende abre inscrições para cursos de Arquitetura e Engenharia Civil, A Voz da Cidade

Ação de saúde municipal leva atendimento diferenciado para crianças, na Zona Leste, Diário do Amazonas

Dany Hypólito diz que nada mudou na relação com o irmão depois que ele revelou ser gay

Prefeitura lança indicador de rede pública de educação, Estado A16

Instituto Pasteur e USP anunciam parceria para investigar epidemias, Folha, B7

Professores de direita do país querem se unir em associação, Folha, B8

Enquanto o ministro canta ‘Singing’ in the rain’…, Globo, 14

Reitora da UFRJ diz que segurança e limpeza podem parar em setembro, Globo, 27

As campeãs setoriais, Valor, A18