Sobre Marília Stabile

Sócia e Diretora Geral da .MAP, jornalista, liderou, em 2014, a equipe de criação do Índice de Impacto e Perspectiva, o IP. Coordena a análise editorial de economia e política e a auditoria de imagem de empresas como Souza Cruz, Gol, Vale, ANBIMA, Santander, B2W, Submarino, Shoptime, Soubarato, Lojas Americanas, Roche, Ministério do Planejamento, Governo de São Paulo, Roche, Universidade Estácio. Liderou a equipe de criação do Índice de Qualidade de Exposição na Mídia, o IQEM, da CDN Comunicação Corporativa, em 2002. Iniciou a atividade em análise e auditoria de imagem em 1995 e desenvolveu trabalhos para mais de 240 marcas de todos os setores da economia para empresas brasileiras e multinacionais, bem como do poder Executivo federal e estadual. Atuou em consultoria com foco em planejamento estratégico, gestão de crise, fusões e aquisições. Jornalista de economia há 35 anos, foi editora de conjuntura e macroeconomia da Gazeta Mercantil, diretora da agência Dinheiro Vivo, repórter especial da TV Globo, Rádio Globo, Rádio Excelsior (atual rede CBN), Abril Vídeo. Tem formação em psicanálise.


O IP Brasil encerra janeiro com a percepção do brasileiro sobre o país estacionada em 33% de positividade, para um índice que varia de zero a 100%. O nível é de crise. O primeiro mês do ano sobe apenas três pontos percentuais acima de dezembro e mantém o patamar dos últimos cinco meses.


A melhora substancial da Economia foi insuficiente para amortecer a percepção negativa no campo da Política e no Bem-estar que caracteriza o início do ano.


Bem-Estar sobressai no mês e responde por 52% do debate. Manifestações sugerem uma sociedade de perfil progressista: intolerante ao racismo, contrária à homofobia e preocupada com a educação. No aborto, há equilíbrio de opiniões.


Após uma melhora pontual em setembro, o Índice de Positividade das opiniões da sociedade sobre a agenda nacional (IP), medido pela .MAP, recuou quase dez pontos percentuais em outubro, caindo a 28%.


A positividade das expectativas do público em geral e formadores de opinião na primeira quinzena de outubro registrou queda em relação ao final de setembro. A queda foi puxada pelos temas da Política com investigações envolvendo Michel Temer e Aécio Neves e críticas à atuação do STF. O Índice , medido pela .MAP, ficou em 33%, um recuo de três pontos percentuais.


Sinais favoráveis na economia, movimentos partidários com vistas às eleições do próximo ano e defesa da diversidade fazem a diferença e elevam a percepção positiva da sociedade em setembro.


A visão da sociedade em relação aos grandes temas da Agenda Nacional registra melhora em setembro, tanto nas redes sociais quanto nos veículos impressos. A positividade saltou de 31%, em agosto, para 42% nos 20 dias de setembro.


O mês de agosto se caracterizou pela melhora dos indicadores econômicos e consolidou a aposta dos analistas no fim da recessão. Dados e discursos, contudo, não foram percebidos desta forma pelo público.