Campanha sustentada em ataques gera oscilação no apoio aos candidatos nas redes sociais

A segunda semana da campanha do segundo turno dos candidatos à presidência é marcada por oscilações nos apoios

  • A segunda semana da campanha do segundo turno dos candidatos à presidência é marcada por oscilações nos apoios nas redes sociais. No dia mais positivo, 14 de outubro, Jair Bolsonaro registrou 55% de manifestações favoráveis. No dia anterior, 13, é alvo de críticas e tem o mais baixo percentual de apoio, de 22%.
  • Da mesma forma, Fernando Haddad bate 68% de menções favoráveis no dia 14. Nos dias 15 e 16, sob efeito do vídeo em que Cid Gomes faz duras críticas ao PT, as manifestações positivas sobre o candidato caem para 23% e 27%, respectivamente. Antes, no dia 11, as postagens de apoio não chegaram a 1% do total.
  • Para a diretora da .MAP Marília Stabile, os apoios oscilam a partir da reação aos ataques dos candidatos, que extravasam para os simpatizantes . “Programas e ideias ficam em segundo plano. É a campanha do não. É a eleição do medo e da raiva em relação a ambos os candidatos. As frases de efeito, simplificam a realidade e cada eleitor escolhe o seu mito – Bolsonaro ou a reação a ele, personificada em Haddad”, analisa. “No saldo, a campanha do não amplia o vazio em torno de propostas e ideias”.

Fonte: .MAP
  • O resultado da semana para os candidatos é idêntico. A diferença está no tamanho do apoio: das manifestações sobre cada um deles, 34% foram positivas. Bolsonaro, contudo, tem 72% do impacto positivo. Haddad, 28%, conforme tabela abaixo. O patamar de apoio fica abaixo do registrado por ambos os candidatos na primeira fase das campanhas. Na média das cinco semanas anteriores ao primeiro turno, Bolsonaro teve 49% de menções favoráveis e Haddad 54%. “O bate-boca entre eles e entre seus simpatizantes faz a percepção sobre as eleições se deteriorar”, afirma Marília.
  • Para o professor da USP e consultor técnico Heron do Carmo, “ambos estão com rejeição elevada, mas a aprovação a Bolsonaro é muito maior”. O pesselista responde, nesta semana, por 86% das manifestações positivas, ante 14% do petista..
Período: 10 a 17 de outubro

Fonte: .MAP

Política mobiliza o debate

  • Os candidatos  concentram 89% das discussões nas redes sociais na semana. A Política, permeia todos os demais principais temas que pautaram as redes no período.
    Entre esses assuntos, a Imprensa lidera, com 98% de manifestações desfavoráveis. É alvo de críticas de ambos os lados desta disputa, acusada de imparcial e partidária. “A Imprensa se tornou bode expiatório, justamente, numa campanha em que se fala tanto em democracia e liberdades”, observa Marília.
  • Em seguida, a discussão se estende para as eleições as Pesquisas de Opinião, Lava Jato, Intervenção Militar, Violência e Desarmamento.
Período: 10 a 17 de outubro

Fonte: .MAP

Sobre PontoMAP

Combinamos análise das expectativas da sociedade e mercados com a avaliação da imagem e reputação para o seu negócio.