Avanço do debate sobre eleições 2018 e confiança dos formadores de opinião em relação à economia elevam IP de setembro a 36%

Sinais favoráveis na economia, movimentos partidários com vistas às eleições do próximo ano e defesa da diversidade fazem

Sinais favoráveis na economia, movimentos partidários com vistas às eleições do próximo ano e defesa da diversidade fazem a diferença e elevam a percepção positiva da sociedade em setembro. Dados analisados pela .MAP mostram o Índice de Positividade (IP) avançando de 31% em agosto para 36% em setembro. Nível, contudo, ainda de crise. O índice varia de zero a 100%, quanto mais próximo de 100%, maior a confiança no País. O IP vinha em queda desde abril, na comparação mensal, quando registrou a marca de 56%. A Política, sob efeito das punições da Lava Jato e agora também reforçada pelo início de um acompanhamento mais sistemático do jogo partidário visando as eleições de 2018, segue em primeiro plano. Responde por metade do debate, com 41% de IP.

A melhora na percepção dos principais indicadores macroeconômicos, como alta do PIB, queda dos juros e da inflação, ganha projeção junto aos formadores de opinião que se manifestam na imprensa e eleva a positividade da Economia para 25%. Não encontra eco, no entanto, entre o público que se manifesta nas redes sociais, cujos temas econômicos predominantes continuam sendo a procura por emprego e a melhora da renda. Bem-Estar, com um posicionamento da sociedade contra a homofobia e a violência contra a mulher, mas dividida sobre os limites da arte na relação com a sexualidade, recua de 38%, em agosto, para os 35%, em setembro.

 

IP: Positividade avança de 31% em agosto para 36% em setembro

 

Temas: Formadores de Opinião e Opinião Pública mostram descolamento

Política

Eleição entra de vez na pauta

O mês de setembro é marcado novamente por debate focado na Lava-Jato, com depoimentos importantes que foram destaque, especialmente do ex-ministro Palocci. Contexto político e investigações, juntos, tiveram quase 80% de participação, com positividade de 18% e 58%, respectivamente. Na semana em que Sérgio Moro anuncia que o fim da Lava Jato está próximo, seu IP bate no piso de 36% de positividade. O juiz de Curitiba chegou a registrar índices superiores a 80% de manifestações positivas.

Mas o mês também marca a entrada definitiva das eleições do próximo ano na Agenda da Sociedade. O assunto soma 11% de participação e conta com o maior IP, de 71%. As manifestações, porém, passam longe da discussão programática. O tom é polarizado e partidário.

Como mostra a tabela abaixo, entre os presidenciáveis, Jair Bolsonaro mantém a maior presença, sendo assunto de 29% das manifestações relacionadas aos personagens políticos, e com 65% de positividade. A crise de segurança no Rio de Janeiro favorece o candidato, visto como a liderança capaz de uma solução nesta área. Lula ultrapassa pela primeira vez a faixa de apoio de 30% a 35%. Soma 44% de positividade, puxada pelas manifestações dos militantes petistas nas redes sociais e também pelos efeitos da Caravana pelo Nordeste, no início do mês. As desconfianças em relação aos recibos apresentados à Justiça como comprovantes de pagamento de aluguel ficam restritas a nichos do debate, com impacto reduzido sobre sua imagem. O ex-presidente responde pela segunda maior participação, com 18%. Geraldo Alckmin e João Doria apresentam apoio em patamar semelhante, com 21% e 23% de positividade, respectivamente.

Personalidades políticas: manifestações positivas

 

Economia

Público nas redes não sentem efeito do PIB no azul, inflação baixa e melhora do desemprego

O tema Emprego registra a maior participação na composição do IP de Economia, com 43%, mas com baixa positividade, de 7%. Os números refletem que o avanço do PIB, a inflação em patamar baixo, o crédito que começa a reagir e os dados positivos do comércio estão incorporados ao discurso dos formadores de opinião, mas ainda não se manifestam entre o público em geral.  Assim como o Emprego, o cidadão ainda não vê a melhora na Renda. O tema soma 26% de participação da discussão econômica, com 7% de positividade.

Temas de Economia: Emprego e Renda permanecem como as principais demandas da opinião pública

Bem-Estar

Diversidade e Segurança em primeiro plano

Diversidade – ligada sobretudo contra a homofobia – e Segurança são os temas de maior impacto em Bem-Estar. O IP de Diversidade chega a 41% e participação superior a 50%. Protestos contra a suspensão da exposição do Santander, a crítica à Cura Gay e a performance no MAM ocuparam as redes sociais e mobilizaram formadores de opinião. Boa parte deles contrários à censura, mas muitas vezes criticando o conteúdo das manifestações artísticas. Os episódios sucessivos de violência contra a mulher, em ônibus, pesaram no IP de segurança, que foi a 29%.

 

Temas de Bem-Estar: sociedade se posiciona contrária aos preconceitos de gênero

Sobre Marília Stabile

Sócia e Diretora Geral da .MAP, jornalista, liderou, em 2014, a equipe de criação do Índice de Impacto e Perspectiva, o IP. Coordena a análise editorial de economia e política e a auditoria de imagem de empresas como Souza Cruz, Gol, Vale, ANBIMA, Santander, B2W, Submarino, Shoptime, Soubarato, Lojas Americanas, Roche, Ministério do Planejamento, Governo de São Paulo, Roche, Universidade Estácio. Liderou a equipe de criação do Índice de Qualidade de Exposição na Mídia, o IQEM, da CDN Comunicação Corporativa, em 2002. Iniciou a atividade em análise e auditoria de imagem em 1995 e desenvolveu trabalhos para mais de 240 marcas de todos os setores da economia para empresas brasileiras e multinacionais, bem como do poder Executivo federal e estadual. Atuou em consultoria com foco em planejamento estratégico, gestão de crise, fusões e aquisições. Jornalista de economia há 35 anos, foi editora de conjuntura e macroeconomia da Gazeta Mercantil, diretora da agência Dinheiro Vivo, repórter especial da TV Globo, Rádio Globo, Rádio Excelsior (atual rede CBN), Abril Vídeo. Tem formação em psicanálise.