Com queda na qualidade das percepções em política, economia e bem-estar, o IP Brasil Opinião passou de 38,4% para 29% na comparação semanal. O índice de positividade, que varia de zero a 100% de positividade, atinge, portanto, nível de crise de percepção sobre o País. O tema Lava-Jato perde a liderança e o debate político se diversifica. Chama a atenção eleições terem entrado definitivamente na pauta, como terceiro mais comentado em política. A extinção da reserva da Amazônia registrou elevada exposição tanto entre formadores de opinião na imprensa como nas redes sociais. O assunto ganhou unanimidade de 100% negativos. Reforma política atingiu apenas 1% positivo e críticas ao governo Temer – por conta das privatizações disputam espaço sensível.

Bem-estar se mantem como tema de segundo maior impacto, com 34% de participação e positividade em queda a 39%. Figuram entre os assuntos de maior destaque diversidade, com racismo, homofobia e questões de gênero. Cresce o debate do preconceito como fator de motivação à violência, portanto rechaçado tanto pelo público em geral como pelo formador de opinião. Alinhadas, as notícias sobre estupro no Uber e assédio sexual no ônibus e a marca de 100 policiais mortos no Rio sobressaem. Emprego e privatizações são os destaques negativos de economia, cujo IP recuou de 24,3% para 14%.

Sobre Marília Stabile

Sócia e Diretora Geral da .MAP, jornalista, liderou, em 2014, a equipe de criação do Índice de Impacto e Perspectiva, o IP. Coordena a análise editorial de economia e política e a auditoria de imagem de empresas como Souza Cruz, Gol, Vale, ANBIMA, Santander, B2W, Submarino, Shoptime, Soubarato, Lojas Americanas, Roche, Ministério do Planejamento, Governo de São Paulo, Roche, Universidade Estácio. Liderou a equipe de criação do Índice de Qualidade de Exposição na Mídia, o IQEM, da CDN Comunicação Corporativa, em 2002. Iniciou a atividade em análise e auditoria de imagem em 1995 e desenvolveu trabalhos para mais de 240 marcas de todos os setores da economia para empresas brasileiras e multinacionais, bem como do poder Executivo federal e estadual. Atuou em consultoria com foco em planejamento estratégico, gestão de crise, fusões e aquisições. Jornalista de economia há 35 anos, foi editora de conjuntura e macroeconomia da Gazeta Mercantil, diretora da agência Dinheiro Vivo, repórter especial da TV Globo, Rádio Globo, Rádio Excelsior (atual rede CBN), Abril Vídeo. Tem formação em psicanálise.